5 indicadores de gestão financeira que você precisa acompanhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Uma empresa só consegue apresentar crescimento sustentável quando sabe realizar a análise dos seus resultados operacionais. A compreensão dos demonstrativos financeiros do negócio é fundamental para a avaliação da performance corporativa, e o acompanhamento adequado precisa ser embasado em indicadores de gestão financeira.

Esses indicadores facilitam o entendimento do cenário da organização. Assim, o gestor é capaz de desenvolver um planejamento estratégico com ações certeiras para otimizar os resultados. Afinal de contas, uma empresa sem dinheiro para investir e cumprir com suas obrigações financeiras não tem como crescer.

Leia este post para conhecer os 5 principais indicadores de gestão financeira empresarial e entenda de que forma eles ajudam a performance do seu negócio.

1. Custos fixos e custos variáveis

Os custos fixos são os gastos contínuos da firma, ou seja, os que precisam necessariamente ser considerados no ano. O melhor jeito de categorizar uma empresa como custo fixo é buscar analisar se esse sofre uma grande variação ou não conforme a demanda produtiva. Por exemplo: uma loja de bolos paga o mesmo valor de aluguel do imóvel, independentemente se produzir 10 ou 100 bolos por mês. Então, o aluguel é um custo fixo.

Os custos variáveis oscilam na proporção das atividades produtivas do negócio. Isto é, o valor de um custo variável depende diretamente da demanda. Por exemplo, a loja de bolo vai gastar mais farinha quanto mais bolos forem produzidos. Portanto, o empresário precisa saber quais são os custos fixos e variáveis da sua empresa, a fim de entender qual deve ser a produção do seu negócio para que essas despesas sejam cobertas, obtendo lucro.

2. Margem bruta

A margem bruta mostra o ganho da organização com a venda de um produto ou serviço, descontados os gastos de produção e comercialização. O cálculo desse indicador de gestão financeira é obtido com a seguinte fórmula:

Margem Bruta = (Receita – Deduções – Custos Diretos Variáveis) x 100

3. Margem líquida

A margem líquida é responsável por revelar o que sobrou da quantia vendida deduzidos todos os custos, inclusive o imposto de renda. Essa margem aponta o lucro líquido empresarial para cada unidade vendida pelo negócio. Você deve calcular a margem líquida dividindo o lucro líquido pelas vendas e, então, multiplicando o resultado por 100.

4. Ponto de equilíbrio

O ponto de equilíbrio expõe o valor de faturamento a ser alcançado para que as contas empresariais fiquem equilibradas. Podemos dizer que esse indicador seria o “empate financeiro”, quando as entradas e saídas do caixa são iguais.

Ele é imprescindível para o gestor encontrar a estabilidade financeira do seu estabelecimento. Portanto, se você perceber que está muito longe do ponto de equilíbrio do seu negócio, pare e analise o que está errado na sua capacidade produtiva. Depois, tome atitudes para mudar esse cenário.

Para calcular esse indicador, divida os custos fixos pela margem de contribuição.

5. Liquidez corrente

Aponta os valores que o empreendimento receberá em contrapartida ao que deve ser pago em um determinado intervalo de tempo. O ideal é que a liquidez corrente seja sempre maior do que 1. Quando o resultado fica abaixo disso, estamos falando de uma empresa endividada, que pode não conseguir arcar com as suas obrigações.

A fórmula da liquidez corrente é:

Liquidez corrente = ativo circulante / passivo circulante.

Analisar os indicadores de gestão financeira é crucial para que o empreendedor possa administrar os recursos do seu negócio adequadamente. Esse estudo não deve ser feito separadamente, pois todos indicadores estão relacionados uns com os outros. Ao estudá-los em conjunto, você conseguirá ser um gestor muito mais eficiente.

Agora, continue a sua leitura com esse post: Confira as 5 melhores práticas de gestão de boletos para empresas!